quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Remoques... pretensamente poéticos: sobre uma vida

teces
- ovelha afagosa –
com tua lã de ternura
a pele da vida
do rebanho do teu curral

planas
- águia das atalaias -
as alturas dos céus
com pios de alerta
sobre as fragas das crias do teu ninho

perscrutas
- guardiã vigilante -
os uivos dissimulados dos lobos
(ou cordeiros na pele)
que cercam a segurança da tua sebe

hoje
engoli o medo com uma lágrima
e tu nem gemeste...
resistes sempre inteira
mesmo que te remendem os ossos!

macviana
30.09.10

2 comentários:

  1. E assim nasce um poeta :-)
    Continua, mano!
    Bj
    Zi

    ResponderEliminar
  2. Poeta é o que sente e vê o mundo com olhos especiais. Assim, sê-lo-ás porque os olhos vêem e a alma sente!

    ResponderEliminar