terça-feira, 6 de maio de 2014

De Guimarães a Compostela... pelos Caminhos de Santiago.


PEREGRINAÇÃO*
a Santiago de Compostela,
com partida da cidade de Guimarães
levada a cabo nos dias 1, 2, 3 e 4 de maio,
do ano da graça de 2014


* Nota Prévia: Por respeito aos peregrinos que, a pé, às centenas, palmilharam o Caminho Jacobeu Português, devo deixar claro que os termos “Peregrinação” e “Peregrino” serão, neste meu arrazoado, incorretamente utilizados. Ainda pensei nos neologismos “Cicligrinação” e “Cicligrino”, “Bicigrinação” e “Bicigrino”, mas pareceram-me termos vazios do sentido interior que, apesar de tudo, esta viagem também me permitiu vivenciar.

Como no fantástico diário de viagem de Fernão Mendes Pinto, hei de eu também nesta “PEREGRINAÇÃO” deixar para memória futura relatos das terras, agrados e desagrados por que passei, embora de todos não possa dar registo, “porque se me houver de pôr a contar por extenso todas as particularidades desta Peregrinação, além de não ter eu cabedal para tanto, me será necessário fazer um processo muito mais largo e uma história muito mais comprida que esta; porém, como minha tenção é somente tocar estas coisas como de corrida, trabalharei sempre quanto puder para ser breve.”
Afastado de toda a fantasia e do aforismo de que quem conta um conto lhe acrescenta um ponto, vos alerto de que deveis crer em todo este mal-amanhado arrazoado, pois é funda verdade tudo o que nele vai dito.


PREÂMBULO

DO QUE PASSEI NA PREPARAÇÃO DA DITA VIAGEM E DAS RAZÕES QUE NOS LEVARAM A PARTIR DE GUIMARÃES

“Quando às vezes ponho diante dos olhos os muitos e grandes trabalhos” desta minha viagem desde a cidade lusa de Guimarães até ao Sepulcro do Santo Apóstolo na galega Compostela, “acho que com muita razão me posso dar por contente”, que, fruto do acertamento da rota e das informações que houve mester, muito se me abriu a curiosidade e o entendimento sobre este Caminho Português de Santiago, de "peregrinos e crentes, hereges e profanos", como adiante se saberá, chegados que formos a uma terra de nome Ponte de Lima.

Decidido embora a meter-me ao caminho como romeiro solitário, o gozo desta aventura, para segurança minha e sossego de outrem, foi partilhado na aprazível companhia do Óscar Manuel Rodrigues, companheiro desta e de outras ditas e desditas.

Sobre as coisas do apetrechamento dos alforges assaz me bastou a máxima: "Peregrino, deja lo que puedas; toma lo que necesites", de modo que, assim pensando, assim agi, e me racionei com o mínimo da sobrevivência: uma esteira, um saco-cama, uns trapos e o bornal.

Não eram dadas ainda as primeiras pedaladas, e já de encontro ao meu pensamento acorriam as palavras de Miguel Torga:

“Em qualquer aventura,
O que importa é partir, não é chegar”.

Esta nossa “Viagem” não é, pois, apenas a aventura serôdia de um cinquentão que, literalmente, ainda pensa ter pedalada para percorrer mais de duas centenas de quilómetros desde Guimarães até Santiago de Compostela, e de alguém que decidiu aceitar o duro desafio de quebrar com a rotina do quotidiano. É bem mais do que isso. É um reencontro. Com a loucura, com aquela loucura pessoana que liberta o homem da “besta sadia, cadáver adiado que procria”; com a interioridade, num tempo de tanta fachada; com a juventude, com a amizade; com a história, o património, a paisagem, as pessoas, os falares, a solidariedade, o sacrifício, a fé. É um reencontro com o meu próprio caminho. 


Aqui vão dois principiantes nas romagens a Santiago fielmente cumpridores dos preceitos compostelanos!... Só o peregrino que percorra a pé ou a cavalo mais de 15 léguas (100 kms), em dias consecutivos, apenas esses, à chegada a Santiago serão reconhecidos pela Compostela, uma espécie de carta probatória carimbada e assinada pelo "Deán de La S.A.M.I. Catedral de Santiago".
Se de bicicleta for, haverá que percorrer, sempre em dias consecutivos, uma distância superior a 30 léguas (200 kms). Ora, como de Braga a Santiago não há distância com lonjura bastante, escolhemos Guimarães, cidade iniciática de outras conquistas, que dista da Tumba do Santo Apóstolo cerca de 32 léguas e meia (215 kms).

Pelas 9:30 horas, do dia 01 de maio, do ano da graça de 2014, partimos de Guimarães.

O céu está com nuvens altas e sol brilhante, que muito nos aquece, os auspícios são promissores para quatro dias de castigo ao corpo e alento à alma.

“Ultreia et suseia,           (“Mais longe e mais acima,)
Deus adjuva nos!”            (Que Deus nos ajude!”)

“Bom Caminho!”


PARTE I

CAPÍTULO I

DE VIMARANES E DO CAMINHO QUE FIZEMOS ATÉ À CIDADE DE BRACARA AUGUSTA, E DO QUE NELA VIMOS


Simbolicamente, o sinal da partida foi dado no Castelo de Guimarães.

Aqui mesmo ao lado, na Escola da Veiga, iniciei a minha carreira profissional, a um longínquo 26 de Outubro de 1982, salvo erro. A Escola já não existe, especulação imobiliária oblige.

Este Castelo de Guimarães povoa o meu imaginário infantil. Minha mãe, que sempre juntava a prole à sua volta contando histórias, fazia-me imaginar as lutas independentistas nos campos de S. Mamede, as batalhas gloriosas do nosso D. Afonso Henriques e os gestos nobres e honrados de Egas Moniz e de outros fundadores.





Junto ao Castelo, integrados num conjunto patrimonial único, estão a ícone estátua de D. Afonso Henriques e o Paço dos Duques de Bragança, palácio com características arquitetónicas de casa fortificada, exemplar único na Península Ibérica.

Baixamos, obrigatoriamente, pelo Largo das Laranjeiras, à Praça de Santiago, praça bastante antiga que conserva ainda a traça medieval. 


Segundo a tradição, uma imagem da Virgem Santa Maria fora trazida para Guimarães pelo apóstolo S. Tiago e colocada num Templo pagão num largo que passou a designar-se com o nome do Santo.
Contíguo ao Largo está a Igreja de Nossa Senhora da Oliveira. “Da Oliveira” porque na praça fronteira está uma oliveira que, segundo os crentes, há mais de mil anos ali reverdeja.


E foi aqui, no Secretariado da Real Colegiada de Nossa Senhora da Oliveira, Primaz das Colegiadas de Portugal, gérmen da histórica rivalidade com Braga, que iniciamos a peregrinação propriamente dita ao recebermos a primeira chancela na Credencial de Peregrino a certificar o início desta nossa romagem. A Credencial habilita-nos ao estatuto de peregrino e a gozar de apoios nos albergues, além de comprovar a nossa passagem pelos diversos pontos do itinerário compostelano.


Depois de uma Avé Maria a pedir a graça a Nossa Senhora, apreciamos o padrão que relembra a vitória de D. Afonso IV sobre os mouros, em 1340, na batalha do Salado; saímos pela Porta da Nossa Senhora da Guia, que nos guie, em direção ao Toural, e abandonamos Guimarães pela estrada que ordinariamente leva a Braga.


Em Fermentões, a pouco mais de dois quilómetros da partida, saímos da Estrada Nacional e pedalamos por um pequeno troço da antiga via que ligava Guimarães a Braga, transpondo o rio Selho por uma ponte românica de dois arcos, de tabuleiro ligeiramente arqueado, muito bonita: a Ponte de Roldes.

Adiante, em S. João de Ponte, outra escapatória: guinamos à esquerda para atravessarmos o rio Ave pela ponte velha, de tabuleiro raso, também classificada como monumento nacional, em direção às Caldas das Taipas, outrora conhecida por Caldelas de Guimarães.

Era nosso propósito evitar tudo quanto fosse estrada nacional, sabendo, no entanto, de antemão, que, não nos querendo meter em trabalhos, havia que evitar alguns atalhos.

Chegados ao Alto da Morreira, foi (quase) só rolar até Braga.


CAPÍTULO II

DA CIDADE DE BRAGA E DO MAIS QUE NELA PASSAMOS

Não eram 11:30 horas e tínhamos já à vista a Augusta Cidade de Braga, palco de muitas peripécias da minha vida. Aqui estudei, aqui joguei à bola, aqui tive os meus amores e desamores, aqui urdi as traquinices da juventude, aqui me fiz.

Já em plena urbe, para evitarmos a confusão do trânsito, pedalamos pela recente via pedociclável marginal ao rio Este até Maximinos.


Subimos à colina, circundamos o Campo de Santiago - fronteiro ao Seminário onde estudei - e transpusemos a porta no sentido da Sé, pelo largo de S. Paulo, ladeando a estátua do Arcebispo D. João Peculiar, cujo báculo, eu vo-lo digo, simboliza a sua função firme e hirta nos atos de que nasceu Portugal, seduzindo o Papa Inocêncio II a reconhecer o título de rei a D. Afonso Henriques, o que só viria a acontecer pelo Papa Alexandre III, em 1179, através da Bula Manifestis Probatum.


Na Sé de Braga, que mais velha não há em Portugal, nesta Sacrossanta Basílica Primacial da Península Ibérica, cujo Arcebispo é Senhor de Braga e Primaz das Espanhas, imbuídos já do espírito jacobeu, carimbamos a Credencial e pedimos a bênção ao Apóstolo, na Capela de São Tiago.



Sob as majestosas colunas da ala central da Sé, vêm-me à memória a Semana Santa, a fuga à procissão, eu e o meu primo Zé Manel, mais tarde chamados a capítulo pelo reitor. Ouço o eco de “O Messias”, de Haendel, interpretado pelo maior coro que jamais ouvi, creio que de Viena de Áustria; ouço o canto gregoriano do Cabido da Sé. Gosto do tom monástico, do som do órgão de tubos.
É o regresso a um passado que muito moldou o meu presente.


CAPÍTULO III

DE COMO ABANDONAMOS A CIDADE DE BRAGA E DO CAMINHO QUE FIZEMOS ATÉ PONTE DE LIMA

Saímos da "Bracara Augusta Fidelis et Antiqua" (Braga Augusta Fiel e Antiga) pelo Arco da Porta Nova e alinhamos na direção de Frossos, S. Paio de Merelim e Prado.


Ao transpormos a Ponte Medieval de Prado, sobre o rio Cávado, tenho a sensação de que estou a cortar o cordão umbilical e a entregar-me nos braços do destino.

E leio as palavras de Friedrich Nietzsche: "Ninguém pode construir em teu lugar as pontes que precisarás passar, para atravessar o rio da vida. Ninguém, exceto tu, só tu. Existem, por certo, atalhos sem números, e pontes, e semideuses que se oferecerão para levar-te além do rio; mas isso te custaria a tua própria pessoa; tu te hipotecarias e te perderias. Existe no mundo um único caminho por onde só tu podes passar. Onde leva? Não perguntes, segue-o!” - “Assim falava Zaratustra.”


De Guimarães a Braga corria no sentido do habitat, da terra abrigo; agora, de costas voltadas, cada pedalada acrescenta mais distância e incerteza.

Pela quelha lateral à Igreja de Vila, abandonamos a EN para Barcelos e penetramos no verdejar dos campos do Minho até Oleiros, ao encontro da Via Romana XIX, do Itinerário de Antonino, que, tal como a geresina estrada romana da Geira, a Via Nova XVIII, também partia de Bracara Augusta para Asturica Augusta (Astorga), seguindo, esta por Terras de Bouro, e aquela por Ponte de Lima.


Sempre a pisar chão das legiões romanas, as setas pirogravadas da Via XIX guiaram-nos por Freiriz, Marrancos, Portela das Cabras até Goães, onde fizemos um pequeno desvio para conhecermos o albergue local de peregrinos, uma interessante proposta de revitalização das antigas escolas primárias.



A ponte românica sobre o Rio Neiva, cujo tabuleiro assenta em três arcos de volta perfeita, conhecida por Ponte Pedrinha, não passa despercebida ao olhar dos transeuntes.

Ainda pensei em esticar por aqui um pouco as pernas, que um homem não é de ferro, mas remetemos ao Ângulo 40, subimos a Rio Mau, Anais, Queijada, Fornelos e Feitosa, até desembocarmos, batiam as 16:30, na Vila que nunca quis ser cidade.




Descemos até ao Largo de Camões e, sem receio de que se nos apagasse da memória tudo o que nos acontecera em vida, transpusemos, qual Decius Junius Brutus, o rio Lethes, e preparámo-nos para o descanso no excelente Albergue de Peregrinos de Ponte de Lima, onde, segundo um poema do séc. XIII:


“La puerta se abre a todos, enfermos y sanos,
No solo a católicos, sino aún a paganos,
A judíos, herejes, ociosos e vanos
Y más brevemente, a buenos y profanos.”
   
O Mito:

“Os Romanos acreditavam que entre o mundo dos vivos e o mundo dos mortos havia uma fronteira. Essa fronteira era o rio Lethes, também chamado rio do esquecimento porque as suas águas tinham como efeito apagar a memória, fazer esquecer tudo o que acontecera em vida.
No ano de 136 a.C., os soldados romanos, comandados por Decius Junius Brutus, atravessaram o Tejo perto da ilha de Almorol, depois atravessaram o Zêzere, o Mondego, o Vouga, o Douro sem problema nenhum.
Chegados aqui, em 138 a.C., convenceram-se de que este era o tal rio Lethes, o rio do esquecimento que conduzia ao mundo dos mortos. Junius Brutus não conseguia convencê-los do contrário, o que dificultava seriamente a progressão da sua campanha militar na região.
Então, para dar o exemplo, o dito general atravessou sozinho o rio e, da outra margem, pôde acenar e gritar que estava vivo e não se tinha esquecido de nada, chamando os seus soldados, um por um, pelos seus nomes. Os soldados, espantados pelo facto de o seu general manter a memória, atravessaram então o rio, sem medo.”



PARTE II

CAPÍTULO IV

DO QUE FOI A NOSSA PARTIDA DE PONTE DE LIMA E DO QUE PENAMOS NA SERRA DA LABRUJA, PASSANDO PELO SÍTIO DA CRUZ DOS FRANCESES

A noite foi tranquila e as forças recuperadas, embora o corpo me diga que há resquícios da jornada anterior. Falta de calo!...

São 7:45 da manhã e estamos a montar as bicicletas para a etapa mais exigente de todo o caminho. Os cerca de três quilómetros da Serra da Labruja que nos esperam são, conforme há dias testemunhei numa trilha preparatória, uma escalada íngreme, feita a pé, empurrando a bicicleta, e o trânsito pesado na zona industrial de Porriño, segundo depoimentos de quem antes por ali peregrinou, assusta qualquer destemido amador dos pedais.

Vamos lá ver, então, o que nos espera… que não nos desespere.

- “Bom Caminho!”






Uns metros à esquerda da saída do albergue, entre a Igreja de Santo António da Torre Velha e o padrão românico-gótico que serve de Capela ao Anjo, que nos guarde, viramos as costas ao burgo e penetramos pelos campos e regadios marginais ao Lima; a fartura de água, no entanto, havia galgado as margens e inundado o caminho, transformando-o num trilho lamacento quase intransponível, mas nada nos demovia, a nós  e a quantos connosco peregrinavam.


Batiam as oito badaladas quando passávamos à igreja de Arcozelo e daqui seguimos, marginando e transpondo, no Arco de Geia, o rio Labruja, até à aldeia do mesmo nome. 


Após restabelecimento obrigatório dos índices hídricos na Fonte das Três Bicas, enfrentamos a Labruja!

A partir da capela de Nossa Senhora das Neves, sempre com o som do rio como “música suave em nossas orelhas”, vislumbramos o trilho do nosso suplício. Imagino o cortejo dos penitentes por este rio acima, de Fausto Bordalo Dias, onde “vão culpados pecadores da gula, vão culpados da sensualidade, vão os tíbios e frouxos no amor, vão culpados por abstinência, vão culpados das suas carências… e cantam louvores ao Deus”, até à Cruz dos Franceses ou Cruz dos Mortos, como de seguida se verá:

"Após a 1ª invasão francesa, perante a situação caótica em que se encontrava o exército português desmantelado por Junot, a Regência entretanto constituída para governar o País “solicitou ajuda ao Reino Unido no sentido de indicar um oficial que levasse a cabo a tarefa de reorganização do nosso exército, sem a qual não estaríamos em condições de enfrentar qualquer nova ameaça. Foi nomeado para essa tarefa o major-general William Beresford que, ao chegar a Portugal, recebeu o título de Marechal do Exército Português.”
Aquando da 2ª invasão, em 1809, as forças britânicas que tinham ficado em Portugal para nos auxiliar receberam reforços e um novo comandante, o tenente-general Wellesley, que veio a libertar, entre outras, a “Invicta e Sempre Leal” cidade do Porto.
O general francês Soult levara então uma grande sova nesses combates, onde as suas tropas terão sofrido cerca de 4.000 baixas, e retirou em debandada em direção à Galiza. Era sua intenção seguir para Braga, mas foi informado de que as forças de Wellesley já ali tinham chegado. Resolveu então seguir por Chaves, mas esta praça tinha sido ocupada pelas unidades de William Beresford. As principais estradas estavam portanto cortadas para a sua retirada e, desta forma, tinha de continuar a marcha pelos itinerários mais difíceis. Atravessou o rio Cávado em Ponte Nova e daí iniciou a subida da Serra do Gerês em direção a Ourense, em Espanha.” (in pt.wikipedia.org)
Muitos dos soldados retardatários do exército de Soult, doentes e famintos, esfarrapados e mutilados, fugiram pela serra da Labruja, e, aqui onde está esta Cruz dos Mortos, foram vítimas de uma emboscada da população local."


Que Deus Nosso, Senhor de infinda Misericórdia, feito homem para vencer o mal e nos resgatar da morte, me perdoe, a mim, persistente pecador, que, incapaz de seguir os passos de Quem nos abriu os caminhos do Bem, sempre me meto “por maus caminhos”!...






A Jesus Cristo, sem mácula de pecado, obrigaram-no a levar às costas, subindo o Gólgota, o pesado madeiro no qual havia de ser crucificado, tropeçando amiúde e caindo três vezes; a mim, contados os meus pecados, assaz leves me são, afinal, a bicicleta e os alforges que carrego até à Casa da Guarda, calvário desta minha peregrinação!...



Nesta Cruz nos detivemos uns cinco minutos e ao cabo deles partimos e fomos ter a uma casa da Guarda Florestal, em cujo eido brota uma bica de água fresca, reabastecedora das carências do corpo e retemperadora da força do ânimo.

- Uff!... Que alívio!... E que gozo esta Labruja!...


CAPÍTULO V

DO QUE PASSAMOS DEPOIS QUE DOBRAMOS A LABRUJA E DOS CAMINHOS QUE FIZEMOS ATÉ VALENÇA, ANTES DE ATRAVESSARMOS O RIO MINHO

Dobrada a encosta da Labruja, enfrentamos novo tormento. Agora era uma descida íngreme, com ela à mão, agarrada pelos travões, para não irmos nós e bicicleta em rapa cu até Lamalonga. Daqui rolamos por chão quase raso, obra de meia légua, até Rubiães, na qual terra entramos ladeando a igreja românica.
Logo abaixo e no mesmo correr, a menos de cem pedaladas, está o albergue de peregrinos, onde a chancela está à disposição para se carimbar a Credencial.


E tornando-nos a “embarcar”, continuamos a descer até à ponte romano-medieval de três arcos, sendo que os dois laterais apenas servem para escoar as águas do leito das cheias, no Rio Coura.
Atravessado o Coura, em cujas águas ainda é possível ver alguns exemplares de truta fário ou truta comum, peregrinamos em direção a Cossourado, freguesia de Paredes de Coura, com pausa no Santuário de S. Bento da Porta Aberta, homónimo do santo milagreiro da minha terra, às portas do Gerês, embora este santo courense não goze da reputação de atrair mais de dois milhões de peregrinos por ano.


(Num certo maio de 1986 - recordo o ano porque a matrícula era NN-19-86 -, vim aqui na companhia de meu saudoso tio Nel do Paço recuperar o Datsun 1200, vermelho ferrari, jantes especiais, volante de competição, rádio Sharp, que me havia sido roubado dias antes, em Lisboa. Fora informado pela G.N.R. de que um carro com as características do meu tinha sido abandonado em S. Bento da Porta Aberta. Inicialmente, jurei tratar-se de um milagre, que os ladrões, pesada a consciência, mo haviam trazido a casa, e rumei até Rio Caldo. Porém, o S. Bento a que o guarda se referia não era aquele, ali mesmo ao lado, mas este, em Coura. Cá chegados, nem o santo se revelou tão milagreiro como jurei, nem o carro era da cor do meu: vermelho, sim; ferrari, não!...
Desiludidos, voltamos para Terras de Bouro. O carro viria a aparecer dias depois em Queluz, sem Sharp, mas impecável. Talvez tenha sido mesmo o São Bentinho que, perante tão crente devoto, me tenha dado a graça de ter aberta a porta da sorte!
Não sei se prometi cá voltar, mas se o fiz, só hoje cumpri tal promessa, a este, que, ao da minha terra, todas as semanas o visito.)

Seguindo o caminho deste Santuário para diante, num trilho fabuloso entre barrancos e matos, fomos por Fontoura e Cerdal até às muralhas da cidadela de Valença, na qual entramos pelas Portas do Sol (ou Portas de Santiago), selamos a Credencial na belíssima Pousada de S. Teotónio, e saímos pelas Portas da Gaviarra, em direção a Tui.
Valença é a última povoação portuguesa antes de feita a travessia do Minho, província e rio.




CAPÍTULO VI

DO ATRAVESSAMENTO QUE FIZEMOS DO RIO MINHO, DO QUE VIMOS EM TUY E NAS TERRAS GALEGAS QUE SE SEGUIRAM, ATÉ PORRIÑO







A Galiza mais o Minho
São como dois namorados

Que o rio traz separados.

Com estes versos no pensamento, os únicos que fixei do poeta monçanense João Verde, daqui vizinho, atravessamos o rio Minho pela faixa lateral da ponte rodo-ferroviária internacional de Valença-Tui, e entramos em terras de Espanha.

“Buen Camiño!”

Não teríamos daqui andado nem meia légua adiante e já éramos chegados ao casco velho da monumental cidade de Tui.

São imensos os factos da história comum de Tuy com Portucale. Não tem aqui cabimento enumerá-los, mas recordo que foi nesta cidade que o nosso primeiro Rei, D. Afonso Henriques, assinou tréguas com o rei de Leão e Castela, pelo Tratado de Paz de Tui, no qual prometeu obediência ao primo, Afonso VII.

Claro que não cumpriu!... Enfim, coisa de português… de primeira!...

A Diocese de Tui, hoje Tui-Vigo, estendia-se, pelo menos até meados do séc. XIV, desde o limite sul da Arquidiocese de Santiago de Compostela até ao rio Lima, dominando todas as terras por que hoje passamos, provando que os limites religiosos estão distantes das fronteiras políticas. Seria curioso o comportamento da igreja de então junto a este território, submetida politicamente ao rei de Portugal e religiosamente ao bispado galego!

O centro histórico de Tui está repleto de construções que demonstram a forte religiosidade do povo galego. São capelas, igrejas, conventos, cruzeiros, estátuas de santos, enfim, a omnipresença de elementos religiosos, exemplo clássico de uma urbanização medieval.



Na parte mais alta da cidade, na coroa do antigo Castellum Tyde, está a Catedral de Santa Maria de Tui, cujo Pórtico gótico exibe duas representações católicas clássicas: a adoração dos Reis Magos, na parte superior, e o nascimento do Menino Jesus, na parte inferior. Além disso, nas colunas laterais existem oito esculturas: as da esquerda mostram Moisés, Isaías, São Pedro e São João Batista; as da direita, Salomão, a Rainha de Sabá, Jeremias e Daniel.
Outro monumento de referência obrigatória é a Igreja de São Telmo, santo dominicano que desta diocese foi Bispo, hoje padroeiro da cidade e dos navegantes, que aqui perto morreu de peste, no regresso de uma peregrinação a Santiago, como adiante se saberá, chegados que formos à Ponte das Febres.




E continuando nossa viagem, depois de cerca de uma hora aqui nos termos deixado ficar, bem providos de mantimento, furamos pelo Túnel do Convento das Clarissas em direção a Porriño.

Vários peregrinos, genuínos peregrinos, que, a pé, partiram de Braga ou do Porto, um até de Lisboa, impressionam-me pela firmeza do passo, pela curiosidade da descoberta, pela alegria da partilha, pela glória do esforço!... 
Nós temos de avançar, não posso parar muitas vezes para recolher informações ou fazer fotografias....

"Buen Camiño!..."





Um pouco mais adiante, retomamos a estrada romana, a Via XIX, que desde Prado nos havia guiado até Ponte de Lima, e que nos haverá de acompanhar em muitos troços, doravante. 

Daqui, sem seguirmos a dita, ladeamos a ponte pela esquerda e penetramos num frondoso bosque , até à Ponte de S. Telmo ou Ponte das Febres.





Adiante pouco mais de meia légua daqui, onde é recordado ao “CAMINANTE” que “Aqui enfermó de muerte San Telmo, en Abril de 1251. Pídele que hable com Dios a favor tuyo”, encontramos a histórica ponte de Orbenlle, que, cruzada, nos leva a um antigo caminho de terra que sai à esquerda depois das primeiras casas. 






Entramos assim no novo “Itinerário de Peregrinos Orbenlle-O Porriño, polo Espazo Natural das Gândaras de Biduiño e Rio Louro”, aprovada pelo “Xacobeo da Xunta de Galicia”, uma fantástica alternativa ao temido e famigerado traçado pelo Polígono Industrial de Porrinho.
Conforme informação do blogue do Caminho Central (Português) a Santiago, “o traçado histórico do caminho Tui-Porriño, correspondia ao actualmente sinalizado no vale do Louriña, seguindo a margem esquerdo do Louro. Ocorre, porém, que o dito traçado se encontra sepultado pelo maior polígono industrial da Galiza, uma grande auto-estrada e a estrada N-550 que, por Atios, leva a rota até Porriño. O que acontece quando a “história” fica reduzida a uma zona industrial, um pântano, uma auto-estrada, uma concentração parcelária, ou a uma rede de comboio de alta velocidade? Que Caminho, que itinerário se pode oferecer aos peregrinos do séc. XXI? Ora, cada época teve o seu Caminho, e, no Séc. XXI, os peregrinos têm direito, como os seus antepassados, a ter os seus próprios Caminhos de Peregrinação.”

As nossas “muchas gracias”, portanto, às organizações “Xacobeas” que estudaram e implementaram a nova “ruta”, absolvendo-nos da penitência que a travessia do Polígono Industrial constituía, sujeitos que estávamos a serpentear por entre um trânsito intenso de ligeiros e, sobretudo, de pesados camiões.


Por esta nova senda alternativa, cruzámo-nos com um conjunto patrimonial deveras importante. Pontes, capelas e cruzeiros, muitos cruzeiros, testemunhos da passagem de peregrinos ao longo de séculos, até Porriño, e, sabendo de antemão que o albergue de Redondela e seguintes estavam super-lotados, decidimos pernoitar no muito agradável albergue , onde, não eram dez horas, já eu me acolhera nos braços de Morfeu.



PARTE III

CAPÍTULO VII

DESTA TERRA DE PORRIÑO E DO MAIS QUE NOUTRAS TERRAS VIMOS, PASSANDO POR REDONDELA ATÉ PONTEVEDRA

Como peregrinos vigilantes e sempre despertos, mal raia o dia e já estamos aprontados para dar ao pedal, não sem antes focarmos a câmara nesta escultura do jardim fronteiro ao albergue, na margem direita do Rio Louro.


O caminho leva-nos pelo Pazo de Mos para testar as nossas forças, enfrentando a íngreme Rua dos Cavaleiros.



- Óscar, espera!... É só mais esta foto!...

E lá está ele a desmontar, a meio da subida, para que o momento fique gravado...


E trepamos, trepamos, sem o tirar do selim, até  Chan de Pipas!...


Não há subida que, depois, não nos regale com uma descida. E a que se aproxima é não só reconfortante para as pernas, como também para os olhos. Assim recuperamos energias com a idílica panorâmica sobre a Ria de Vigo.




Entro pelo caminho das memórias e oiço o meu grande mestre P.re Arlindo Cunha, “Ó Senhor ?!...”, e aquele seu timbre tão característico a dizer-nos as cantigas de amigo galego-portuguesas, esta de Mendinho:

“Sedia-m'eu na ermida de Sam Simion
e cercaram-me as ondas, que grandes som!
Eu atendendo meu amigo, eu atendendo meu amigo!”

E estoutra de Martim Codax:

“Ondas do mar de Vigo,
se vistes meu amigo?
e ai Deus, se verrá cedo?”

Estamos já muito perto de Redondela onde chegaremos a meio da manhã. Dirigímo-nos ao albergue para carimbar. Não está ninguém, carimbamos no bar ao sabor de um cafezinho "à português".


Daqui nos partimos atravessando campos e pequenos bosques ao som do arrulho dos pombos torcazes, que são aos bandos por estas bandas, até Arcade. 


Atravessamos o Rio Verdugo, em Pontesampaio, testemunha de um dos mais sangrentos confrontos ocorridos quando as tropas francesas se dirigiam para Portugal, comandadas pelo Marechal Ney. Foi tal a ferocidade, que ainda hoje a população local põe aos cães os nomes dos generais Franceses.




Já vai longa e estimulante para mim esta aventura, fastidiosa para vós esta mal amanhada crónica!...

Ali vão seis  sexagenários austríacos, três homens e outras tantas mulheres, a pedalarem a bom ritmo. 

Não. Eu, afinal, não sou louco!... 

"Bom Caminho!..."
"Buen Camiño!..."





Até Pontevedra cruzámo-nos com centenas de peregrinos a pé ou, como nós, em bicicleta, e, à face do caminho contemplamos cruzeiros, capelas, fontenários... e mais cruzeiros.

Foram os romanos que deram a Pontevedra o seu actual nome: Pontis Veteris (ponte velha), mas uma lenda conta que a cidade é várias centenas de anos mais antiga. O herói grego Teukros tinha fundado esta cidade 1200 anos antes de Cristo, daí o seu nome ter sido atribuído à praça principal desta cidade capital de província galega, a par de Lugo, Ourense e Corunha.





Em frente ao Santuário de La Peregrina, refrescámo-nos um pouco e seguimos as vieiras que por esta cidade nos indicam, de vinte em vinte metros, o Caminho Português.


A Virgem Maria está representada dentro da igreja como uma peregrina. É ela a patrona da cidade.


CAPÍTULO VIII

DESTA TERRA DE PONTEVEDRA E DO MAIS QUE NOUTRAS TERRAS VIMOS, ATÉ PADRON


Caldas de Reyes está próxima e mais próximo ficará Padron, destino desta tão longa jornada. 







Duas simpáticas peregrinas portuguesa saúdam-nos quando passávamos pela Capela de Santa Lucia.

Ultreia et suseia,
Deus adjuva nos!”  



Em Caldas de Reyes entramos ladeando a Igreja de Santa Maria e dirigímo-nos ao albergue local para selarmos a Credencial.



Antes de lá chegarmos, transpusemos mais uma ponte medieval de grande beleza: a Ponte do Rio Bermaña.
Esticamos um pouco por aqui as pernas, em tempo não mais que quinze minutos, e... “ala, que se faz tarde!...” 



Arribamos por entre campos de cultivo, ao som de melros e pombos, pegas, muitas pegas, e corvos, para Padron.




Passamos junto à Igreja de Santa Maria de Carracedo e, já com cerca de setenta quilómetros nas pernas só no dia de hoje, ainda pensamos pernoitar no albergue de Valga, um excelente albergue, uma autêntica pousada, mas em local bastante isolado e, como um homem não é só espírito, há também que alimentar o corpo... e o meu que precisa bastante!... 





Despedímo-nos da Maria Teresa, a alberguista mais simpática de todo o Caminho, cujo nome, por razões minhas, não esqueci, e rolamos tranquilamente até Pontecesures, para passarmos o Rio Ulla, sabendo que, não havendo qualquer inesperado, chegaríamos a horas e com a energia bastante para degustarmos uns mejillones, um pulpo e, claro está, os famosos pimentos de Padron. 



Terá sido por este rio que subiu a barca com o corpo de Santiago, aportando em Padrón. E Padrón fica, de facto, em frente de Pontecesures, na margem oposta do rio Ulla.





PARTE IV

CAPÍTULO XIX

DO QUE VIMOS EM PADRON E TERRAS QUE SE SEGUIRAM, E DAQUELES QUE A NÓS SE JUNTARAM ATÉ COMPOSTELA

Aqui, vimos a Igreja de Santiago de Padron, onde, segundo a lenda, os seus discípulos Atanásio e Teodoro amarraram a barca que trazia o corpo do Santo Apóstolo desde Jaffa, na Palestina, a uma coluna de pedra, que se diz ser a mesma que está hoje sob o altar desta Igreja. 


E subimos à Igreja do Carmo, cujas vistas sobre Padron nos oferecem uma panorâmica geral da cidade.



De Padron nos partimos, eram 7:30. 

"Buen Camino!..."

E lá vou eu cantarolando esta cantiga interpretada por Adriano Correia de Oliveira com poema de Rosalia de Castro, inscrito no monumento que a foto ilustra:


Este parte, aquele parte
e todos, todos se vão
Galiza ficas sem homens
que possam cortar teu pão

Tens em troca
órfãos e órfãs
tens campos de solidão
tens mães que não têm filhos
filhos que não têm pai

Coração
que tens e sofre
longas ausências mortais
viúvas de vivos mortos
que ninguém consolará

Deixamos a cidade dirigindo-nos até à Colegiade de Santa Maria de Iria Flavia, sede episcopal antes da sua transferência para Santiago de Compostela. 


Curiosamente, são associados a este local os dois maiores expoentes das letras galegas - a poetisa Rosália de Castro, aqui sepultada, e o Nobel Camillo José Cela, aqui nascido junto à basílica. As duas imagens anteriores representam um e outro.


Passada Iria Flavia, percorremos um pitoresco enfiamento de aldeias - Romaris, Rueiro, Cambelas, Anteportas, Tarrío e Vilar - até chegarmos ao magnífico "Santuário de La  Esclavitud".




Batiam as oito badaladas quando por aqui passávamos, o que nos quer dizer que eram sete horas da manhã em Portugal... 
Um simpático sacristão recebeu-nos e carimbou, pela penúltima vez, a nossa Credencial de Peregrinos.

Muitos vão a pé. Um, que não tem uma mão, sexagenário, cuja nação não tive oportunidade de saber, vinha, não sei há quantos dias, desde Lisboa!... Ainda o vi em Santiago!... Que louco!... Que extraordinário!...


CAPÍTULO X

DA NOSSA CHEGADA A SANTIAGO E DO QUE FIZEMOS PARA RECEBERMOS A COMPOSTELA, COROLÁRIO DESTA NOSSA PEREGRINAÇÃO

Com muita calma, já num processo de interiorização, lá vamos pedalando, pedalando...


Do Milladoiro, avistamos, vencendo a leve neblina, as Torres da Catedral.
Chegamos à periferia da cidade, e não será a árdua subida da Choupana que nos fará esmorecer. Aliás, não há obstáculo maior que a nossa vontade!...

9:30 horas.



Estamos a entrar no espaço Jacobeu, pelo Toural (que curioso!), dirigíndo-nos para a Alameda da Ferradura, onde fica a porta Faxeira, entrada tradicional do Caminho Português na cidade velha. E, pelo apertado labirinto de uma malha medieval, chegamos, confesso que com uma no canto do olho, à praça do Obradoiro, em frente à Catedral.







Com um acumulado de 228.510 quilómetros nas pernas (contando as voltas para recebermos o carimbo). 

Ocorre-me a primeira vez que vim a Santiago. A foto que se segue, quebrada já pelo tempo, regista os participantes numa excursão a Santiago de Compostela, organizada pelo Padre Faria, pároco de Moimenta, Terras de Bouro, teria eu aí uns 6 anos. Ainda recordo algumas peripécias dessa viagem. Fica aqui a saudosa memória daqueles que já cá não estão, principalmente do meu tio Manuel Cracel.






Em frente do mesmo hotel onde, há cinquenta anos, estive... 
Hei de cá voltar, nem que seja daqui a outros cinquenta!...






Depois de nos termos dirigido à "Oficina de Acogida al Peregrino" para certificarmos a Credencial com a última chancela e recebermos a Compostela, circundamos o Altar Mor, sobreposto ao Túmulo do Santo Apóstolo, e rezamos a ORAÇÃO DO PEREGRINO:

Apóstolo Santiago,
escolhido entre os melhores,
Tu foste o primeiro a beber o cálice do Senhor, 
e és um grande protetor dos peregrinos.
Faz-nos fortes na Fé 
e alegres na Esperança,
neste nosso caminhar de peregrinos
seguindo o caminho da vida cristã,
e alenta-nos para que, no final, 
alcancemos a Glória de Deus Pai.
Amén





OBS: A próxima, se Deus quiser, será a pé pelo troço final do "Caminho Francês", entre Sarria e Santiago. 
Começarei brevemente os preparativos...


“Ultreia et suseia,
Deus adjuva nos!” 

                   https://www.youtube.com/watch?v=gkea-j_Bzn8


6 comentários:

  1. Gostei imenso da crónica descritiva. Também tenho esses vícios anuais. Abraço.

    ResponderEliminar
  2. Olá, muito obrigado pelas infos do blog. São muito incentivadoras. Planejo começar minha peregrinação também em Guimarães. Gostava de saber onde obtiveram vossa credencial do peregrino e onde obtiveram a primeira estampa em Guimarães. Muito obrigado, Gustavo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá!Muito obrigado. A credencial foi adquirida na Sé de Braga e o primeiro carimbo foi na Colegiada de Nossa Senhora da Oliveira, em Guimarães. Cumprimentos

      Eliminar
  3. Olá, aventura muito bem contada. Como é a contagem da distância? Estou em Braga e quero fazer o caminho em duas etapas, um dia de Porto até Braga (podendo ser Porto x Barcelos x Braga) e mais três dias Braga x Santiago de Compostela. A diferença é que os 3 últimos dias não serão logo após o dia Porto x Braga, inclusive esses dois trechos serão em meses diferentes. Outra pergunta, saberia me dizer quais as opções de retorno (autocarro, comboio...)? Desde já, muito obrigado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa tarde!
      Para se ter direito à "Compostela" na chegada a Santiago de Compostela, terá de ter percorrido, em dias consecutivos, uma distância superior a 200 quilómetros, de bicicleta (ou 100 quilómetros, a pé). Por isso, se o Erick S. E. não pode usar esses dias consecutivamente, não precisará da Credencial nem terá direito à "Compostela"; no entanto (recomendo eu), não deixe de ter a experiência de pedalar uns quilómetros pelos Caminhos de Santiago, desde que se procure imbuir do espírito de um verdadeiro peregrino. O que importa são as experiências e a vivência que cada um tem do Caminho e não tanto os pró-formas.
      O regresso, com bicicletas, é um transtorno: apenas nos deixaram trazer as bicicletas de Santiago até Vigo, no comboio. Já no comboio internacional de Vigo-Porto (com paragens em Valença, Viana e Nine) não permitiram o transporte das bicicletas. Tivemos que nos desenrascar com um amigo que nos foi buscar a Vigo, num carro preparado para o transporte das bicicletas, claro.
      BOM CAMINHO!
      Cumprimentos.
      Manuel Viana

      Eliminar
    2. Manuel Viana, obrigado pela resposta. Vou fazer o caminho Porto x Braga, pois deve ser muito bonito, e depois faço Guimarães x Santiago para concluir com mais de 200km. O retorno será um transtorno, vou ter de arriscar :)

      Eliminar