quarta-feira, 2 de julho de 2014

Recordando Sophia de Mello Breyner Andresen, no dia da sua trasladação para o Panteão Nacional


Não é fácil escolher um poema de Sophia para colocar aqui, tantos e tão significativos eles são!... 
                                   Porque os outros se mascaram, mas tu não.
                                   Porque os outros usam a virtude
                                   Para comprar o que não tem perdão.
                                   Porque os outros têm medo, mas tu não.
                                   Porque os outros são os túmulos caiados
                                   Onde germina calada a podridão.
                                   Porque os outros se calam, mas tu não.

                                   Porque os outros se compram e se vendem
                                   E os seus gestos dão sempre dividendo.
                                   Porque os outros são hábeis, mas tu não.

                                   Porque os outros vão à sombra dos abrigos
                                   E tu vais de mãos dadas com os perigos.
                                   Porque os outros calculam, mas tu não.

Sem comentários:

Enviar um comentário