quinta-feira, 27 de novembro de 2014

O Cante Alentejano - Património Cultural Imaterial da Humanidade

O cante alentejano, um canto coletivo que adoro ouvir, foi hoje classificado como Património Cultural Imaterial da Humanidade pela Unesco - Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura.


(adaptado do vídeo promocional da candidatura, de Sérgio Tréfaut)

Parabéns, amigos alentejanos!...

domingo, 16 de novembro de 2014

Meu Amigo Está Longe!

Ary dos Santos e Alain Oulman
por Gisela João



                                Nem um poema, nem um verso, nem um canto
                                Tudo raso de ausência, tudo liso de espanto
                                Amiga, noiva, mãe, irmã, amante
                                Meu amigo está longe
                                E a distância é tão grande!...

                                Nem um som, nem um grito, nem um ai
                                Tudo calado, todos sem mãe nem pai
                                Amiga, noiva, mãe, irmã, amante
                                Meu amigo está longe
                                E a tristeza é tão grande!...

                                Ai esta mágoa, ai este pranto, ai esta dor
                                Dor do amor sozinho, do amor maior
                                Amiga, noiva, mãe, irmã, amante
                                Meu amigo está longe
                                E a saudade é tão grande!...

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Aqui, há português (in)correto... (41)


O Sporting defronta os eslovenos e, mais uma vez, o legendista afronta uma das regras fundamentais de colocação das vírgulas: nunca separar o verbo do complemento direto.

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Farejando...



                                                 por veredas e penhascos
                                                 farejo
                                                 minuciosamente
                                                 o rasto do prazer
                                                 que anseio
                                                 dissimulado em mimetismos de fuga

                                                encaro a presa
                                                desengatilho o estrondo do momento
                                                 - e caímos fulminados
                                                 no gozo de nos mordermos!...

                                                                 macviana